Solidão Materna – parte 2

A solidão materna também nasce do tardio reconhecimento das crianças como cidadãos!

Um dos grandes fatores responsáveis pelo aumento do sentimento de solidão entre mães é causado por um comportamento social coletivo que demora a reconhecer a criança como parte integrante da sociedade, um cidadão!

É muito comum quando os bebês são pequenos recebermos visitas e mensagens através das redes sociais elogiando a criança e seu desenvolvimento.

Para além essa interação virtual, muitas vezes superficial, mora uma dura realidade: Adultos sem filhos e espaços de convívio frequentemente não são receptivos com crianças e consequente com suas mães !

Toda mãe já escutou ou passou por alguma situação onde os amigos dizem: “Ela está com bebê pequeno, não vai querer vir ou mesmo não vou convidar porque não é ambiente para criança.

Falta espaços preparados para infância, falta empatia e senso de coletividade!  Em muitos espaços e ocasiões as crianças além de não serem bem recebidas são indesejáveis. As mãe sabem disso e se sentem sozinhas!

Essa falta de preparo e receptividade faz com que as mães se isolem dentro do ambiente doméstico em uma tentativa de se proteger da censura que vem através de olhares, comentários e da percepção de falta de estrutura dos ambientes.

Toda mãe já sentiu que o choro do seu bebê incomoda, já sentiu que a risada , brincadeiras e até mesmo um pequeno conflito entre crianças, incomoda. Toda mãe já foi perseguida por olhares de reprovação em padarias, restaurantes, aviões, hotéis, elevadores e em uma infinidade de lugares e situações.

O instinto materno se aciona automaticamente na tentativa de proteger a cria e as vezes isso pode aparecer inclusive com agressividade onde como forma de proteção mães contem seus filhos imaginando estarem evitando um comportamento não aceito socialmente.

Para evitar esses sentimentos: Isolamento e Isolamento é solidão.

Esse papel que nos é imposto como mães que devem controlar todos os comportamentos infantis de seus filhos é desproporcional e muito prejudicial. Aos poucos, a sociedade condenando o natural comportamento infantil  e promove um adultização precoce .

A adultização é quando a criança tem comportamento de adulto e não o de acordo com o esperado na sua faixa etária, deixando de fazer coisas de criança, falando igual adulto.

A sociedade sem perceber cria uma barreira social para mães e crianças causando dor e sofrimento.

Crianças são cidadãs, titulares dos direitos de cidadania, que englobam os direitos e garantias fundamentais que são definido no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Compartilhe com a gente as situações que você já viveu e como isso fez você se sentir.

 

❤️⚡️ Desde 2015 a Maternativa tem orgulho de ter feito mais de 50 encontros, 4 feiras pelo Brasil e já ter formado mais de 6 mil mães em ambientes preparados e acolhedores para mães e crianças!

 

Deixe um comentário